Região foi palmilhada por bandeirantes paulistas em busca de ouro e prata. Alcançaram o local, descrito como Sertão dos Caetés, em 1664. Construção da capela no topo da serra demorou sete décadas. Batizada como Serra das Piedade, hoje, abriga o Santuário de Nossa Senhora da Piedade.

 

Serra da Piedade: descoberta na busca pela Serra Resplandecente

 

A palavra “itaberabuçu” é formada por três termos da língua tupi: “ita”, pedra; “bera”, grande; e, “buçu”, brilhante. E está ligada à lenda fomentadora da ambição dos europeus aportando naquelas terras descobertas a Sudoeste do Oceano Atlântico, no ano de 1500.

A Serra do Itaberabuçu, ou Serra Resplandecente, descrita pelos nativos brasileiros aos primeiros colonizadores chegados ao Brasil durante os primeiros anos do século XVI, afigurava-se no imaginário popular como constituída completamente de ouro ou prata.

Ela seria equivalente às Minas de Potosi, localizadas no até então Alto Peru, atualmente Departamento de Potosi, na Bolívia. Ou seja: uma gigantesca jazida de prata, explorada intensamente pela Espanha, invejada pelas potências da Europa, incluindo aí Portugal.

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

O mito da existência da Serra do Itaberabuçu, ou Serra Resplandecente, foi perseguido principalmente pelos habitantes da Capitania de São Vicente. Desrespeitando limites do Tratado de Tordesilhas, buscavam também a Serra das Esmeraldas, outra grande lenda

 

Serra da Piedade: sonhos de encontrar a Serra das Esmeraldas

 

No século XVII, anos 1600, este mito foi perseguido principalmente pelos habitantes da Capitania de São Vicente. Saindo das proximidades do litoral, desrespeitando limites do Tratado de Tordesilhas, buscavam também a Serra das Esmeraldas, outra grande lenda.

Por carregarem à frente da tropa um mastro com o estandarte do rei de Portugal em seu alto, acabaram identificados como bandeiras. Estas incursões duravam anos. Viajavam sob orientação de nativos, pois somente eles tinham conhecimentos daqueles recantos.

Uma delas, organizada por Fernão Dias Paes Leme, partiu em 1674. Sete anos após, em 1681, veio a falecer, provavelmente em consequência das condições da empreitada. Há informações sobre seu corpo sido enterrado nas proximidades da atual Cidade de Caeté.

Suas expedições se deram a partir de 1660, desde que uma entrada pela Capitania do Espírito Santo, chefiada por Marcos de Azeredo Coutinho, trouxe algumas amostras de esmeraldas, em 1611, e passou à história com a alcunha de o “Caçador das Esmeraldas”.

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

Os bandeirantes acabaram por encontrar ouro e pedras preciosas na região do Rio das Velhas, ao centro da imagem. Para manter seus direitos da exploração, promoveram uma revolta, a Guerra dos Emboabas, forçando a criação da Capitania das Minas Gerais

 

Serra da Piedade: proeminência no relevo e reflexo da luz do Sol

 

Aliás, a busca pela Serra de Itaberabuçu acabou batizando uma localidade vizinha. A pronúncia foi mudando com os anos — primeiro, “taberabuçu”; depois, “saberabuçu”; mais tarde, “saberá”; e, por fim, “sabará” — resultando, então, na Cidade de Sabará.

Continuando a adentrar o País, os bandeirantes acabaram por encontrar ouro e pedras preciosas na região do Rio das Velhas. Para manter direitos da exploração, promoveram uma revolta, a Guerra dos Emboabas, forçando a criação da Capitania das Minas Gerais.

Como busca por novas fontes de riqueza não parava uma proeminência naquele relevo montanhoso, cujas formações rochosas refletiam a luz do Sol, chamou atenção para a grande elevação situada bem perto: quem sabe seria a tão sonhada Serra de Itaberabuçu?

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

A proeminência daquela montanha naquele relevo extremamente montanhoso, cujas formações rochosas refletiam a luz do Sol, chamou atenção dos bandeirantes, ainda atrás de novas fontes de riqueza: quem sabe seria a tão sonhada Serra de Itaberabuçu?

 

Serra da Piedade: exploradores avançam para o Sertão de Caeté

 

E foi para lá que Lourenço Caetano Taques se dirigiu, sendo considerado o desbravador da região por Carta Régia de 23 de março de 1664. O local foi descrito como Sertão de Caeté, termo tupi significando “mata verdadeira, mata virgem, aquela nunca roçada”.

As expectativas fracassaram. Nada encontrou de valioso nas escarpas, e deixou a região. No início do século XVIII, anos 1700, as mesmas lendas atraíram outro aventureiro em busca de fortunas, segundo relatos, espalhadas pelo chão: Antônio da Silva Bracarena.

Apesar de também fracassar, sua história com aquelas terras estava apenas começando. E seu nome está gravado nas formações rochosas lançando-se a 1.746 metros acima do nível do mar. Uma história, inclusive, ligada à identificação do local: Serra da Piedade.

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

A Capela de Nossa Senhora da Piedade, situada no topo da Serra da Piedade, começou a ser construída em 1704, sendo concluída em 1770, sete décadas após. Tombada como monumento histórico, originou o complexo do Santuário de Nossa Senhora da Piedade

 

Serra da Piedade: nasce a Capela de Nossa Senhora da Piedade

 

Antônio da Silva Bracarena também é responsável por iniciar a edificação da Capela de Nossa Senhora da Piedade. Situada no topo da serra, começada em 1704 e concluída em 1770, quase sete décadas após, acabou tombada como importante monumento histórico.

Em 1817, atraído pela natureza exuberante da região, o botânico e naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire visitou a Serra da Piedade e lá passou vários dias. E observou estar a igreja cercada por edificações precárias, todas habitadas por eremitas e romeiros.

Relatos de outros viajantes, feitos entre 1820 e 1840, revelam um espaço em processo de decadência e degradação, tomado por charlatães e fanáticos religiosos. Contudo, a capela mantinha-se intacta, preservando a memória e a história mística daquele lugar.

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

O botânico e naturalista francês Auguste de Saint-Hilaire, aqui em montagem sobre o Calvário do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, visitando Serra da Piedade em 1817, viu a capela cercada por edificações precárias, habitadas por eremitas e romeiros

 

Serra da Piedade: parte do território do Quadrilátero Ferrífero

 

Continuação do maciço denominado Serra do Curral, a Serra da Piedade localiza-se no extremo Norte do Quadrilátero Ferrífero, território no Centro-Sul do Estado de Minas Gerais, maior produtor de minério de ferro do Brasil, com 60% da extração nacional.

Tendo também manganês e ouro, em sete mil quilômetros quadrados de área, abrange Município de Caeté, Município de Itabira, Município de João Monlevade, Município de Mariana, Município de Ouro Preto e Município de Sabará, além de muitos outros.

A Serra da Piedade divide-se entre o Município de Caeté e o Município de Sabará. E faz parte da Região Metropolitana da Cidade de Belo Horizonte, a capital do Estado de Minas Gerais. Rica em nascentes, suas águas contribuem para a formação do Rio Doce.

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

Serra da Piedade localiza-se no extremo Norte do Quadrilátero Ferrífero, território no Centro-Sul do Estado de Minas Gerais. Com sete mil quilômetros quadrados de área, é a maior região produtora de minério de ferro do Brasil, com por 60% da extração nacional

 

Serra da Piedade: área de proteção de fauna, flora e mananciais

 

O acesso rodoviário, a partir da Cidade de Belo Horizonte, a capital do Estado de Minas Gerais, se dá pela BR-381, seguindo depois pela MG-435, até o trevo de entrada para a Cidade de Caeté, ou pela Cidade de Sabará, em percursos com 90 minutos de duração.

Devido à altitude, é assolada por fortes correntes de vento. Durante o inverno, é comum formação de geadas. A umidade ali presente criou as condições para enriquecimento da biodiversidade. E a variedade de espécies vegetais atrai variedade de animais e pássaros.

Em 16 de junho de 2004, o Governo do Estado de Minas Gerais colocou-a no centro de uma com 1.945 hectares, destinados a preservar fauna, flora e mananciais. Foram ainda estabelecidas medidas para proceder as preservações ambiental, cultural e paisagística.

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

Vista da Cidade de Caeté a partir do topo da Serra da Piedade. Agora, ela é o centro de uma com 1.945 hectares, destinados a preservar fauna, flora e mananciais. Foram ainda estabelecidas medidas para proceder as preservações ambiental, cultural e paisagística

 

Serra da Piedade: monumento natural e ponto de peregrinação

 

O parque foi transformado em Unidade de Conservação Estadual, categoria Monumento Natural. E o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado de Minas Gerais estabeleceu diretrizes para atividades capazes de serem desenvolvidas em seu interior.

No caso da exploração mineral, é obrigação da empresa exploradora reconstituir toda a degradação que causar. Em dezembro de 2010, aquele Instituto estende o tombamento para o conjunto arquitetônico e urbanístico já existente no entorno da Serra da Piedade.

Em 2012, a Serra da Piedade, grande jardim natural, deslumbrante para os amantes da natureza, e o Santuário de Nossa Senhora da Piedade, ocupando todo o seu cimo, foram declarados Atrativos Turísticos de Especial Relevância para o Estado de Minas Gerais.

Atualmente, além dos prédios do Santuário de Nossa Senhora da Piedade, o topo da formação abria observatório astronômico, da Universidade Federal de Minas Gerais, e radares do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo — Cindacta.

 

Busca pela Serra das Esmeraldas leva ao descobrimento da verde Serra da Piedade

Em 2012, a Serra da Piedade, grande jardim natural, deslumbrante para os amantes da natureza, e o Santuário de Nossa Senhora da Piedade, ocupando todo o seu cimo, foram declarados Atrativos Turísticos de Especial Relevância para o Estado de Minas Gerais

 


 

Material produzido a partir da participação na edição 2017 da Feijoada do Maranhão, realizada dia 2.9.2017, nos salões do Minas Tênis Clube II, localizado no Bairro das Mangabeiras, na Cidade de Belo Horizonte, capital do Estado de Minas Gerais.

Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando a verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição da expressão “Serra da Piedade”, e outras mais, é intencional. Elas são as principais palavras-chave dos conteúdos. Colocá-las várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com BingGoogle ou Yahoo.

Texto redigido a partir de conhecimentos gerais do autor e pesquisas na Internet, principalmente Wikipedia e espaços do Governo do Estado de Minas Gerais, Prefeituras do entorno da Serra da Piedade, entidades ligadas à história e ao turismo do território mineiro presentes na Web e blogs diversos, voltados à cultura e história do Estado de Minas Gerais e a viagens.

A visita à Serra da Piedade e ao Santuário de Nossa Senhora da Piedade foi patrocinada pela Arquidiocese da Cidade de Belo Horizonte, através do empenho da gestora daquele importante ponto de peregrinação, Cláudia Rech.