Instituição chega aos 35 anos de abertura ao público, apesar dos mais de 100 anos de fundação. Coleções reúnem cerca de 5 mil peças: apetrechos para castigo, documentos valiosos, esculturas variadas, instrumentos de trabalho, itens de mobiliário, objetos pessoais, arte sacra e muito mais.

 

Museu Mineiro: joia do Circuito Cultural Praça da Liberdade

 

A Cidade de Belo Horizonte, capital do Estado de Minas Gerais, tem pouco mais de um século de fundação. Apesar desta até curta existência, mostra-se extremamente rica em espaços destinados a divulgar as cultura e história dos quase 500 anos de sua sociedade.

O Circuito Cultural Praça da Liberdade é a melhor expressão deste fenômeno. Fixado no entorno da Praça da Liberdade, parte central da área urbana, aglutina 12 instituições, todas geridas pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico — Iepha-MG.

E o Museu Mineiro é das mais expressivas contas desse valioso colar de joias. Apesar de inaugurado apenas em 10 de maio de 1982, na verdade surgiu um século antes. Ele nasceu a partir da Lei que levou à criação do Arquivo Público Mineiro, datada de 1895.

Seu artigo 2º estabelecia criar espaço específico para reunir, classificar e guardar armas, bordados, cerâmica, esmaltados, estátuas, gravuras, mobílias, ourivesaria, quadros e quaisquer outras manifestações da arte tendo valor propriamente artístico ou histórico.

As obrigações do Arquivo foram ampliadas em 1910. E também passou a abrigar seções de Antiguidades Históricas, Etnografia e História Natural. O acervo reunido a partir daí veio cobrindo três períodos da organização política local: Capitania, Província e Estado.

 

Museu Mineiro resume história do Estado de Minas Gerais em acervo de peças raras

Apesar de inaugurado em 10 de maio de 1982, o Museu Mineiro, na verdade, nasceu 100 anos antes. Veio à luz a partir da Lei criadora do Arquivo Público do Estado de Minas Gerais, datada de 1895, cujo artigo 2º estabelecia seu objetivo e funcionamento

 

Museu Mineiro: prédio do final do século XIX, anos 1800

 

O prédio ocupado hoje pelo Museu Mineiro é do final do século XIX, anos 1800. Surgiu como residência dos secretários de Agricultura, durante a construção da Cidade de Belo Horizonte, nova capital do Estado de Minas Gerais, mudada da Cidade de Ouro Preto.

Edificado pela Comissão Construtora da Nova Capital, faz parte do conjunto original compondo a concepção científica de cidade difundida naquele momento. Segue modelo francês vigente no período do Renascimento, com linhas arquitetônicas grega e romana.

Estas estão caracterizadas principalmente pela organização e simetria dos elementos, como colunas e janelões, por exemplo. Como similares na Avenida da Liberdade, atual Avenida João Pinheiro, ganhou requintes dispensados a grandes monumentos públicos.

No início do século XX, anos 1900, depois de ampla reforma, passou a abrigar o Senado Mineiro — parte do Poder Legislativo do Estado na época, completado pela Câmara dos Deputados. Isso dura até 1935, com os dois órgãos reunidos na Assembleia Legislativa.

 

Museu Mineiro resume história do Estado de Minas Gerais em acervo de peças raras

O prédio ocupado hoje pelo Museu Mineiro é do final do século XIX, anos 1800. Surgiu como residência dos secretários de Agricultura, durante a construção da Cidade de Belo Horizonte, nova capital do Estado de Minas Gerais, mudada da Cidade de Ouro Preto

 

Museu Mineiro: instalação autorizada em 1977, abertura em 1982

 

Durante três anos, o imóvel esteve ocupado por órgãos da Prefeitura da Cidade de Belo Horizonte. Em 1938, mudam-se para lá a Pagadoria Geral do Estado de Minas Gerais — depois, denominada Inspetoria Geral de Finanças — e o Arquivo Público Mineiro.

Esta situação segue até 1977, quando a Inspetoria Geral de Finanças, atual Secretaria de Estado da Fazenda, muda-se para outro endereço. Na parte do imóvel assim liberado, à direita do conjunto visto a partir da rua, fica autorizada a instalação do Museu Mineiro.

Após cinco anos de restauração, é aberto ao público em 1982. Sem alterar a composição tombada pelo Patrimônio Histórico, o desnível do terreno entre o Museu Mineiro e o Arquivo Público é corrigido com uma instalação subterrânea, abrigando um restaurante.

E passa a exibir um acervo organizado em coleções de objetos relacionados a diversos períodos da vida do Estado de Minas Gerais. Os itens cobrem desde os primórdios, indo do longo período colonial, auge da exploração do ouro e Império, até os tempos atuais.

São cerca de 5 mil objetos: apetrechos para castigo, documentos valiosos, esculturas variadas, instrumentos de trabalho, itens de mobiliário, objetos pessoais, paramentos cerimoniais, pinturas diversas e utensílios domésticos — além de bastante arte sacra.

 

Museu Mineiro resume história do Estado de Minas Gerais em acervo de peças raras

Após cinco anos de obras, o Museu Mineiro é aberto ao público em 1982. Sem alterar a composição tombada pelo Patrimônio Histórico, o desnível do terreno entre ele e o Arquivo Público é corrigido com uma instalação subterrânea, abrigando um restaurante

 

Museu Mineiro: acervo distribuído em sete setores

 

O Museu Mineiro abriu suas portas organizado em sete setores, assim distribuídos:

  • Área Externa

Espaço comum ao ar livre, de integração com o Arquivo Público do Estado de Minas Gerais, destinado à realização de oficinas, exibições de cinema e vídeo-arte e pequenos espetáculos de dança, música e teatro, dentre outras atividades.

  • Galeria de Exposições Temporárias

Espaço destinado a exposições temporárias de temáticas variadas, numa média de quatro a cada ano, com duração de aproximadamente dois meses e meio cada uma.

  • Sala das Colunas

Apresenta exposição permanente de aproximadamente 130 imagens sacras, criadas entre os séculos XVIII, anos 1700, a XIX, anos 1800. Destaque para obras atribuídas a Mestre Aleijadinho, Mestre de Barão de Cocais e Mestre de Piranga.

  • Sala das Sessões

Apresenta Coleção da Pinacoteca do Estado, com aproximadamente 25 obras de talentos como Alberto da Veiga Guignard, Aníbal Matos, Celso Renato, Inimá de Paula, Lótus Lobo e Roldelnégio Netto, dentre outros.

  • Sala do Arquivo Público

Exposição de pinturas retratando os monarcas brasileiros e do autorretrato oficial de Mestre Aleijadinho, dentre outros objetos e documentos referentes à história do Estado de Minas Gerais.

  • Sala do Colecionador

Outro espaço com exposição permanente, de uma imagem de São Miguel Arcanjo, do século XIX, anos 1800, esculpida em madeira. Há, também, seis pinturas em tela, todas atribuídas ao Mestre Ataíde.

  • Sala Multiuso

Ambiente voltado à apresentação de palestras, apresentações teatrais, desenvolvimento de performances, exibições de dança, lançamentos de livros, realização de seminários, realização de vernissages e eventos similares.

 

Museu Mineiro resume história do Estado de Minas Gerais em acervo de peças raras

A área externa, ao ar livre, é espaço de integração do Museu Mineiro com o Arquivo Público do Estado de Minas Gerais, destinado à realização de oficinas, exibições de cinema e vídeo-arte e pequenos espetáculos de dança, música e teatro e outras ações

 

Museu Mineiro: degradação das instalações e nova reforma

 

Tornando-se um dos locais mais visitados da Cidade de Belo Horizonte e do Estado de Minas Gerais, atraindo, principalmente, estudantes do Segundo Grau, o Museu Mineiro entrou em processo de degradação das suas instalações, precisando de nova restauração.

Assim, interrompeu as atividades de recepção de público em outubro de 2008, reabrindo suas portas em 18 de janeiro de 2012. E, ao completar seus 35 anos de fundação, passa a contar com novo espaço para apresentações, eventos e exposições, batizada de Átrium.

Dominando o ambiente subterrâneo antes ocupado pelo restaurante, oferece área livre coberta com mais de 200 metros quadrados e outra, descoberta, com cerca de 60 metros quadrados ؙ— dispondo, ainda, de baterias de modernos toaletes femininos e masculinos.

 

Museu Mineiro resume história do Estado de Minas Gerais em acervo de peças raras

No momento em que completa 35 anos de abertura ao público, o Museu Mineiro ganha novo espaço, ocupando as instalações do restaurante. O Átrium oferece duas opções de aproveitamento: 200 metros quadrados de área construída, coberta, e mais 60 ao ar livre

 


 

Material produzido a partir da participação na edição 2017 da Feijoada do Maranhão, realizada dia 2.9.2017, nos salões do Minas Tênis Clube II, localizado no Bairro das Mangabeiras, na Cidade de Belo Horizonte, capital do Estado de Minas Gerais.

Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando a verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição da expressão “Museu Mineiro”, e outras mais, é intencional. Elas são as principais palavras-chave dos conteúdos. Colocá-las várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com BingGoogle ou Yahoo.

Texto redigido a partir de conhecimentos gerais do autor e pesquisas na Internet, principalmente Wikipedia e espaços do Governo do Estado de Minas Gerais, Prefeitura do Município de Belo Horizonte, entidades ligadas à história e ao turismo do território mineiro presentes na Web e blogs diversos, voltados à cultura e história da Cidade de Belo Horizonte e a viagens.