Serviço com horários definidos tem um circuito com nove paradas. Bilhete vale por 24 horas, podendo saltar e embarcar diversas vezes. Há cortesias para diversos espaços, possibilitando conhecer outros atrativos. Veículo de dois deques permite visualizar melhor os pontos do passeio.

 

Cidade de São Paulo: city tour em ônibus especial

 

Assim como outras grandes metrópoles pelo mundo, a Cidade de São Paulo, capital do Estado de São Paulo, dispõe de linha de ônibus especial, percorrendo diversos pontos culturais, históricos e turísticos. Trata-se do serviço Circular Turismo Sightseeing SP.

Atendido por dois veículos de combustão híbrida, usando eletricidade em velocidades menores e tendo bateria recarregável, diminui a emissão de poluentes. Um deles possui dois deques, permitindo visualização maior e melhor das ambientações sendo cruzadas.

O circuito cobre nove paradas. Saindo da Praça da República, são visitados Estádio do Pacaembu, Museu de Arte de São Paulo — Masp, Casa das Rosas, Parque Ibirapuera, Centro Cultural São Paulo, Bairro da Liberdade, Pátio do Colégio e Teatro Municipal.

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

Cidade de São Paulo, Circular Turismo Sightseeing SP — Dois ônibus de combustão híbrida, usando eletricidade em velocidades menores e tendo bateria recarregável. Um deles possui dois deques, permitindo visualização melhor as ambientações cruzadas

 

Cidade de São Paulo: gratuidade para outros atrativos

 

Com valor fixo, pode-se embarcar várias vezes em 24 horas, no período de operação. E aproveitar gratuidades: Cata-vento Cultural e Educacional, Museu Afro Brasil, Museu de Arte Moderna, Museu de Arte Sacra, Museu do Futebol e Pinacoteca do Estado.

De segunda a sexta, saídas às 9:00, 11:20 e 14:10 horas; sábados, 8:00, 10:30 e 13:30; e, domingos e feriados, 10:00, 11:40, 13:20, 15:30 e 17:10. Não há circulação na Avenida Paulista quando liberada para o uso apenas por pessoas ou realização de manifestações.

Em dias de jogos no Estádio do Pacaembu, os coletivos não acessam a Praça Charles Miller, parando nas proximidades. Os ingressos, vendidos no interior do veículo, sem antecipação ou reserva, podem ser pagos usando cartão de crédito ou cartão de débito.

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

Cidade de São Paulo, Circular Turismo Sightseeing SP — O trajeto normal cruza pela Avenida Paulista de uma ponta a outra, mas ele pode ser alterado quando a via estiver liberada para uso apenas de pessoas, aos domingos, por exemplo, ou para manifestações

 

Cidade de São Paulo: descrição automática dos locais

 

Ao longo do percurso, aplicativo controlado por GPS identifica pontos de interesse e aciona áudios com informações sobre o local. As narrações são em espanhol, inglês e português. Através de QR Code tem-se acesso a mais detalhes sobre todos os locais.

Sendo possível iniciar o passeio embarcando em qualquer ponto de parada do circuito, facilita bastante conhecer um pouco mais sobre a Cidade de São Paulo, centro urbano complexo, cosmopolita, denso, fascinante, interessante, global, moderno, populoso…

E constatar por si mesmo alguns dos apelidos da maior cidade brasileira, destino de 15 milhões de visitantes a cada ano: Capital da Criatividade, Capital das Inovações, Centro Cultural, Centro Financeiro, Centro Gastronômico e Polo Disseminador de Tendências.

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

Cidade de São Paulo, Circular Turismo Sightseeing SP — Durante o passeio, pode-se constatar alguns dos diversos apelidos desta que é a maior concentração urbana do País, como Centro Financeiro, Centro Gastronômico e Polo Disseminador de Tendências

 

Cidade de São Paulo: paradas do Circular Sightseeing SP

 

A seguir, um pouco sobre os atrativos das paradas do Circular Turismo Sightseeing SP:

 

Praça da República

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

A Praça da República era conhecida como Largo dos Curros. Ali, durante o século XIX, anos 1800, aconteciam rodeios e touradas. Situada em região então distante do Centro da Cidade de São Paulo, era vizinha de hospício e hospital para portadores de varíola.

Sua denominação mudou diversas vezes: Largo da Palha, Praça das Milícias e Largo 7 de Abril. Com o fim da Monarquia, em 1889, foi batizada como Praça 15 de Novembro e, finalmente, Praça da República. E se valorizou com a construção do Viaduto do Chá.

Facilitando a união do Centro Velho ao futuro Centro Novo, levou à reurbanização da área. Em 1894, foi definida como endereço da Escola Normal Caetano de Campos, obra criada por Antônio Francisco de Paula Sousa e Francisco de Paula Ramos de Azevedo.

Esta edificação abriga, hoje, a Secretaria de Estado da Educação. Logo no começo do século XX, anos 1900, sofreu sua primeira reforma. Inspirada em praças europeias, ganhou lagos e pontes e lagos, deixando o lugar mais parecido com sua forma atual.

Em 1921, ganhou o Cine República. Ao longo do tempo, a Praça da República foi palco de manifestações importantes da história do Brasil. Uma, de 23 de maio de 1932, contra a ditadura de Getúlio Dornelles Vargas, foi o estopim da Revolução Constitucionalista.

No final da década de 1960, virou ponto de encontro de hippies. Estes constituíram no local, de forma espontânea, a Feira de Artesanato. Esta, aos poucos, virou atração para moradores e turistas até os dias atuais, mesmo perdendo prestígio ao longo dos anos.

Ganhou o Edifício Esther e o Edifício São Tomás — com apartamentos de 400 metros quadrados —, o Edifício Eiffel, de Oscar Niemeyer, e, em 1944, o Edifício São Luiz, do arquiteto francês Jacques Emile Paul Pilon — tinha abrigo antiaéreo, depois garagem.

Opção de lazer, é uma das únicas áreas verdes do Centro da Cidade de São Paulo. Com pontes e chafarizes, é ótima para convivência e descanso. Desde 2012, abriga o Museu da Diversidade Sexual, recebendo aqueles em busca da cultura da comunidade LGBT.

A estação do metrô dá acesso à Linha 3-Vermelha e à Linha 4-Amarela, tornando-se das mais movimentadas do sistema, permitindo integração com o transporte metropolitano por ônibus. Há, ainda, ponto do serviço executivo atendendo o Aeroporto de Guarulhos.

 

Estádio do Pacaembu

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

O Estádio Paulo Machado de Carvalho, o Estádio do Pacaembu, ou Pacaembu, é parte da história do futebol no Brasil. Inaugurado em 1940, foi palco de seis partidas da Copa do Mundo de 1950. E, bem sob suas arquibancadas, está instalado o Museu do Futebol.

Situado na Praça Charles Miller, final da Avenida Pacaembu, no Bairro do Pacaembu, na zona central da Cidade de São Paulo, além do campo de futebol, abriga um complexo esportivo aberto gratuitamente a qualquer pessoa, para atividades físicas bem variadas.

Obra iniciada em 1936, com a instauração do Estado Novo, em 1937, foi paralisada, para mudanças. A capacidade cresceu e as colunas ficaram semelhantes às do Estádio Olímpico, da Cidade de Berlim, capital da Alemanha, vivendo sob o domínio nazista.

Inaugurado em 27 de abril de 1940, mais de 50 mil pessoas receberam o ditador Getúlio Vargas com vaias. Após um intervalo de 12 anos, devido à Segunda Guerra Mundial, a Copa do Mundo de Futebol voltou à América do Sul, com jogos disputados no Brasil.

O Estádio do Pacaembu recebeu seis jogos, três da fase inicial e três da fase final. Em 6 de setembro de 1969, a concha acústica existente aos fundos foi demolida, e deu lugar a um novo lance de arquibancadas, com cerca de 10 mil lugares, apelidado como Tobogã.

Em 1998, foi tombado como patrimônio histórico, em virtude de seu estilo arquitetônico Art Déco, característico da época em que foi construído. Desde 2008, abriga o Museu do Futebol, com rico acervo de peças retratando a importância deste esporte para o País.

 

Museu de Arte de São Paulo

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand — Masp, das mais importantes instituições culturais do Brasil, localiza-se, desde 7 de novembro de 1968, na Avenida Paulista, Centro Financeiro da Cidade de São Paulo, capital do Estado de São Paulo.

Seu edifício-sede, projetado pela arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi, é famoso pelo vão livre com mais de 70 metros de extensão, apoiado sobre quatro grandes pilares. Pela sua singularidade, está tombado pela Prefeitura, Governo do Estado e Governo Federal.

Fundado em 1947, iniciativa do jornalista Assis Chateaubriand, tem a mais abrangente e importante coleção de arte ocidental da América Latina e do Hemisfério Sul, seção de arte brasileira e conjuntos de artes africana, asiática, decorativa e peças arqueológicas.

Há seletos conjuntos de antiguidades etruscas, egípcias, gregas e romanas, e também de objetos de culturas pré-colombianas e arte medieval europeia. Com acervo de oito mil peças, aproximadamente, abriga uma das maiores bibliotecas especializadas do País.

 

Casa das Rosas

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

A Casa das Rosas é um casarão no estilo clássico francês, situado na Avenida Paulista, atual Centro Financeiro da Cidade de São Paulo, capital do Estado de São Paulo. Pronta em 1935, era utilizada para reuniões dos muitos milionários oriundos da cultura do café.

É integrante do rol de obras de renome assinadas pelo Escritório Técnico Ramos de Azevedo, como Colégio Sion, Mercado Municipal de São Paulo, Pinacoteca do Estado e Teatro Municipal de São Paulo. O autor do seu projeto é o arquiteto Felisberto Ranzini.

O imóvel, tombado pelo Patrimônio Histórico em 1985, possui um dos mais belos jardins de rosas da Cidade de São Paulo. Sua desapropriação, em 1986, pelo Governo do Estado de São Paulo, teve o compromisso de preservar sem alterar sua originalidade.

Após reformas entre 1986 e 1991, surgiu a Casa das Rosas — Galeria Estadual de Arte, espaço cuja principal função era acolher exposições circulantes e temporárias do acervo do próprio Governo do Estado. E também ser espaço voltado para a difusão de poesias.

Em 2003, novamente fechada para manutenção reformas, sendo reinaugurada em 9 de dezembro de 2004. O local foi renomeado para homenagear poeta falecido em 2003.  Surge assim, o Espaço Haroldo de Campos, mas mantendo aqueles propósitos originais.

São quatro pavimentos: sótão, porão, térreo e superior. Além de salas, escritório, copa, cozinha e lavanderia, há oito quartos, varanda e terraços. Os materiais utilizados vierem praticamente todos do exterior, como mármores da Itália e cristais e vidros da Bélgica.

O telhado, em ardósia, tem águas inclinadas em relevante proporção. Na parte traseira do terreno, considerando a frente a da Avenida Paulista, foi erguido edifício comercial. A execução só foi permitida respeitando as características visuais da Casa das Rosas.

 

Parque do Ibirapuera

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

O Parque do Ibirapuera é o mais importante espaço urbano da Cidade de São Paulo, a capital do Estado de São Paulo. Inaugurado em 21 de agosto de 1954, em comemoração do quarto centenário do Município. Em 2015, foi escolhido um dos melhores do mundo.

Eleição do jornal britânico The Guardian, perfilou ao lado do Boboli, da Cidade de Florença; o Buttes-Chaumont, da Cidade de Paris; o Güell, da Cidade de Barcelona; o Hampstead Heath, da Cidade de Londres; e o High Line, da Cidade de Nova York.

O projeto paisagístico, de Otávio Augusto Teixeira Mendes, traduz-se num mundo de verde. As edificações são de Oscar Niemeyer: Auditório Ibirapuera, Centro de Artes Oca, Museu Afro Brasil, Museu de Arte Moderna — MAM e Pavilhão da Bienal.

O Parque do Ibirapuera oferece aos seus frequentadores baterias de equipamentos para atividades físicas, campos de futebol, ciclovia, espaços de descanso, pistas de corridas, playground, quadras de esportes, trilhas para passeios e vários pontos para alimentação.

Ocupando cerca de dois quilômetros quadrados de área, o verde dos jardins e paisagens repletas de flores dividem espaço com três lagos artificiais, habitat de pequenos animais e aves. Há, ainda, diversas esculturas de muitos monumentos históricos e um planetário.

 

Centro Cultural São Paulo

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

O Centro Cultural São Paulo é dos principais espaços culturais da Cidade de São Paulo, a capital do Estado de São Paulo. Idealizado durante a década de 1970, foi inaugurado em 1982, aproveitando terrenos desapropriados para a construção da linha do metrô.

Seu projeto, inicialmente apenas uma biblioteca, agregou áreas para exposições, ateliês, espaço para exibições de música, salas de cinema e teatro. Sua arquitetura arrojada e inovadora, em estrutura horizontal e diversos acessos, privilegiou a fluidez das pessoas.

Um programa de livre acesso permite pessoas com deficiências ou mobilidade reduzida frequentar todas as atividades. Há funcionários especialmente treinados para atender especificamente este público. Uma coleção especial guarda obras de Tarsila do Amaral.

Há cinco bibliotecas em seu interior: Sérgio Milliet, segunda maior da cidade; Alfredo Volpi, artes plásticas, fotografia e arquitetura; Gibiteca, especializada em gibis; Louis Braille, acessível a deficientes visuais e auditivos; e Sala de Leitura Infanto-Juvenil.

 

Bairro da Liberdade

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

Até a década de 1870, o Bairro da Liberdade abrigava o local dos enforcamentos de condenados à morte. Eles aconteciam na Praça da Liberdade, razão da denominação atual. Mas, popularmente era conhecida como Largo da Forca ou Campo da Forca.

Atualmente conhecido como o maior reduto de japoneses e outros povos orientais na Cidade de São Paulo, capital do Estado de São Paulo, nos primórdios era moradia de negros. Inclusive, sediou a organização de escravos libertos Frente Negra Brasileira.

Depois, o Paulistano da Glória: no início, um sindicato de empregadas domésticas; mais tarde, uma escola de samba. A presença oriental surge em 1912, com imigrantes vindo residir na Rua Conde de Sarzedas, ladeira íngreme, a partir de área de várzea e riacho.

Os orientais procuravam aquele local porque as casas tinham porões e os aluguéis de quartinhos no subsolo eram mais baratos. Também por ser um ponto central, facilitava o deslocamento para locais de trabalho, contribuindo com a esperança por dias melhores.

Como tratava-se de povo empreendedor, não demorou muito para surgirem atividades tocadas pelos novos habitantes: agências de empregos; confeitaria produzindo o manju, um doce japonês; empórios comerciais; fábrica de tofu, o queijo de soja; hospedaria…

Em 1915, surge a Escola Primária Taisho Shogakko, ajudou na educação dos filhos de japoneses, então em número aproximado de 300 pessoas. Em 1932, eram cerca de dois mil. Vinham do Japão ou do interior, após encerrarem contratos de trabalho na lavoura.

A comunidade cresceu ocupando outras ruas: Conde do Pinhal, Conselheiro Furtado, Estudantes, Irmã Simpliciana, Tabatinguera e Tomás de Lima, hoje Mituto Mizumoto. Nesta, em 1914, foi fundado o Hotel Ueji, pioneiro dos hotéis japoneses em São Paulo.

Em 12 de outubro de 1946, foi fundado o jornal São Paulo Shimbun. Em 1º de janeiro de 1947, o Jornal Paulista. Neste mesmo ano, é inaugurada a Livraria Taiyodo, ainda lá presente, passando a importar livros japoneses através dos Estados Unidos da América.

As ruas do bairro receberam decoração no estilo do Japão. Mas, aos poucos, deixou de ser exclusivo de japoneses. Procurado por chineses e coreanos, passou a ser conhecido como Bairro Oriental da Cidade de São Paulo. E começou a oferecer outros atrativos.

Um deles é a Feira Oriental, nas tardes de domingo, com barracas de comida típica e de artesanato. Outro são as festas típicas: Ano Novo, Campeonato de Sumô, Festival das Estrelas, Festival das Flores, Festival de Final do Ano, Festival Oriental e muitas outras.

 

Pátio do Colégio

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

O Pátio do Colégio é o local onde foi levantada a primeira construção da atual Cidade de São Paulo, a capital do Estado de São Paulo. Ali, padre Manuel da Nóbrega, noviço José de Anchieta e outros jesuítas estabeleceram um núcleo para catequizar nativos.

Conjunto ainda pertencente à Companhia de Jesus, reúne Auditório Manoel da Nóbrega, biblioteca, Capela Beato José de Anchieta (abriga o fêmur de José de Anchieta), Cripta Tibiriçá, Galeria Tenerife, Museu Anchieta e Praça Ilhas Canárias, com o Café do Pátio.

O local foi escolhido por ficar no alto de uma colina entre o Rio Anhangabaú e o Rio Tamanduateí. Em 25 de janeiro de 1554, o Real Colégio de São Paulo de Piratininga foi aberto com uma missa — data considerada como da fundação da Cidade de São Paulo.

A estrutura, uma tosca cabana coberta de folhas de palmeira, tinha cerca de 90 metros quadrados. Em 1556, foi substituída por outra, com uma igreja anexa. Era em taipa de pilão, erguida pelo padre Afonso Brás, considerado o precursor da arquitetura brasileira.

Brigas entre colonos e religiosos devido aos indígenas culminaram na expulsão dos jesuítas do local, em 1640. Eles só retornariam 13 anos mais tarde. Na segunda metade do século XVII, anos 1600, foi erigida a terceira edificação, de taipa de pilão e pedra.

Após a expulsão dos jesuítas das terras portuguesas, imposta pelo Marquês de Pombal em 1759, o Pátio do Colégio passou a ser a sede do Governo, servindo como palácio dos governadores até 1912. Nesse período, passou a ser denominado por Largo do Palácio.

Em 1770, sediou a sessão inaugural da Academia Paulista de Letras. Nos seus arredores, com o passar dos anos, foram construídas Casa de Ópera, Casa de Fundição, habitações do Solar da Marquesa de Santos e estabelecimentos de comércio na Ladeira do Palácio.

O antigo casarão colonial foi descaracterizado por reformas durante todo esse período, sobretudo no final do século XIX, anos 1800. Algumas tiveram como objetivo adaptar o Palácio do Governo às repartições oriundas do desenvolvimento dos serviços públicos.

Em 1881, Florêncio Carlos de Abreu e Silva, ao assumir a Presidência da Província, transformou o edifício. Além de remodelar sua fachada principal, demoliu a chamada ala perpendicular, na qual funcionou a primeira sede do Correio Geral de São Paulo.

Sobrou quase nada do prédio original. Há fragmentos de uma parede de 1585, do antigo colégio dos jesuítas, na edificação atual. A igreja original foi demolida em 1896; o Palácio dos Governadores, em 1953. O conjunto que vemos agora foi entregue em 1979.

 

Teatro Municipal

 

Cidade de São Paulo oferece passeio de ônibus por importantes pontos turísticos

O Teatro Municipal da Cidade de São Paulo, capital do Estado de São Paulo, é um dos mais importantes do Brasil. Localizado na Praça Ramos de Azevedo, foi inaugurado em 1911, para uma elite ansiosa por eventos à altura daqueles dos grandes centros culturais.

Seu estilo arquitetônico foi inspirado na Ópera Nacional de Paris. O edifício, Patrimônio Histórico do Estado de São Pulo desde 1981, possui uma notabilidade histórica singular. Ele foi o palco da Semana de Arte Moderna, o marco inicial do Modernismo no Brasil.

Entre 1952 e 1955, a primeira grande reforma, em comemoração ao Quarto Centenário da Cidade de São Paulo. Desde 2012, o anexo Praça das Artes abriga corpos artísticos, Escola de Dança do Estado de São Paulo e Escola de Musical de Música de São Paulo.

 


 

Material produzido a partir da participação na edição 2017 da Abav Expo Internacional, realizada de 26 a 29 de setembro de 2017, nos pavilhões do Expo Center Norte, na Cidade de São Paulo, capital do Estado de de São Paulo.

Clique nos trechos em colorido ao longo do texto para abrir novas guias, com informações complementares ao aqui sendo tratado. Eles guardam links levando a verbetes da Wikipedia e sites de empresas, entidades, Governos estaduais, Prefeituras etc.

A repetição das expressões Cidade de São Paulo, Circular Turismo Sightseeing SP  e outras mais é intencional. Elas são as principais palavras-chave dos conteúdos. Colocá-las várias vezes na postagem faz parte das técnicas de Search Engine Optimization — SEO, ou otimização para ferramentas de busca. Ajuda a destacar o trabalho na lista apresentada quando se pesquisa com BingGoogle ou Yahoo.

Trabalho pode apresentar erros. Se forem apontados, reeditarei o material com as correções. Todas as fotos têm origem identificada. Se o autor de algumas delas discordar do seu uso, basta avisar que será substituída.